Evidência Patrística para a data inicial do Apocalipse


Por Dean Furlong (2020)*

Tradução e adaptação textual
por César Francisco Raymundo

Isso representa a evidência mais acessível para o exílio neroniano de João. É, no entanto, apenas uma fração da evidência. Muitas das evidências são complexas e são construídas ao longo de muitos capítulos.

Irineu

   Furlong observa que, de acordo com Irineu, João escreveu seu evangelho em uma época em que o herege Cerinto estava ativo, mas após a época em que os nicolaítas estavam ativos. Ele observa, portanto, que Irineu afirmou que os nicolaítas haviam publicado suas doutrinas “há muito tempo” aos escritos do evangelho de João ( Haer . 3.11.1). Ele também observa que, em outros lugares, Irineu afirma que os nicolaítas estavam ativos no momento da escrita do Apocalipse (Haer. 1.26.3), sugerindo que ele colocou a escrita do Apocalipse muito tempo antes da escrita do Evangelho.

   Irineu provavelmente colocou Cerinto no final do primeiro século, pois ele conta que conhecia Policarpo (Haer. 3.3.4), que foi martirizado em meados do século II.

Evidência futura

   Furlong observa que, de acordo com Eusébio, os nicolaítas “subsistiram por um período muito curto” (Hist. Eccl. 3.29.1). Ele também observa que Hipólito colocou suas atividades na Ásia Menor no final da vida de Paulo (ou seja, durante o reinado de Nero). (De ressurr. Fr. 1).

Ele foi visto

   A passagem usada para fornecer evidências de que Irineu mantinha a data final foi, segundo Furlong, mal interpretada. Irineu não afirmou que “a visão apocalíptica foi vista no final do reinado de Domiciano”, mas que “João foi visto” pelos anciãos quando eles vieram a ele (de acordo com fontes antigas de tradição) no final de sua vida e implorou que ele escrevesse seu evangelho. Furlong alega que as tentativas anteriores de argumentar sobre João como o sujeito foram equivocadas quando tentaram argumentar que Irineu estava se referindo à interação dos anciãos ao longo da vida com João, pois isso não leva em consideração as nuances da gramática grega, que sugerem um momento específico em que o assunto foi visto. Por esse motivo, observa ele, mesmo datadores antigos como Westcott e Robinson se sentiram compelidos a conceder a interpretação padrão de Irineu (isto é,

   Furlong argumenta, em vez disso, que Irineu estava se referindo a uma ocasião específica em que os anciãos vieram a João e imploraram que ele escrevesse o Evangelho, como alegado por muitas fontes que Furlong discute em outras partes da obra. Segundo Furlong, o argumento de Irineu é que João teria declarado aos anciãos o nome do Anticristo, se seu cumprimento fosse iminente, pois o viram no final do primeiro século, próximo ao período de Irineu. Como ele não lhes declarou, Irineu concluiu que o cumprimento não era iminente.

   Suporte para isso é fornecido na tradução em latim das palavras de Irineu, que pode se referir a João (evidências gramaticais são fornecidas em pesquisas linguísticas recentes sobre o idioma em latim), mas que não podem ter se referido à visão apocalíptica.

O prólogo anti-marcionita de Lucas

   Este trabalho do segundo século, embora não seja uma evidência direta da data inicial, afirma que João escreveu Apocalipse antes de escrever seu Evangelho.

Tertuliano

   Tertuliano fala de João sendo enviado para o exílio depois de sobreviver mergulhado em óleo fervente em Roma (Praescr. 36).

   Jerônimo cita Tertuliano como relatando que João foi mergulhado em óleo por Nero. Essa leitura foi alterada nas edições por causa de seu apoio ao exílio neroniano. A fonte de Jerônimo não poderia ter sido a Prescrição de Hereges existente por Tertuliano, pois ele cita detalhes sobre o óleo (por exemplo, que João saiu mais jovem) que não são encontrados nesse trabalho. Furlong argumenta que ele citou um dos trabalhos perdidos de Tertuliano.

   Jerônimo também cita “Histórias Eclesiásticas” como relatando que João foi imediatamente enviado para o exílio depois de sobreviver mergulhado em óleo. A fonte não poderia ter sido Tertuliano, pois ele não escreveu uma história eclesiástica. Isso, portanto, parece sugerir mais uma fonte independente de uma tradição que pode ter colocado o exílio (que segundo Tertuliano e Jerônimo havia acompanhado a imersão em óleo) no reinado de Nero. Furlong sugere Hegesipo como a fonte dessa tradição.

Clemente de Alexandria (Quis div. 42).

   Furlong discute a história do capitão ladrão que caiu da fé e mais tarde foi restaurado por João, que teria ocorrido após o retorno de João do exílio. Ele examina atentamente o texto para demonstrar que a história deve ter sido imaginada como ocorrendo ao longo de muitos anos, e fornece um apoio adicional disso por Crisóstomo.

   Ele argumenta que essa narrativa não pode ser ajustada no breve período entre a morte de Domiciano em 96 e a morte de João até o final do primeiro século. Ele também observa que, de acordo com Jerônimo, João não conseguia nem andar na velhice, enquanto nesta história ele monta um cavalo e persegue o ladrão. Ele argumenta que essa narrativa ocorreu em algum momento entre o retorno de João do exílio após a morte de Nero, mas antes do início da extrema velhice de João.

Os Atos de João

   O texto deste trabalho gnóstico do segundo ou terceiro século começa com João navegando para Éfeso, vindo de Mileto, e relaciona o ministério e a morte asiáticos de João. O exílio não é mencionado, mas Furlong argumenta que provavelmente estava relacionado no início perdido da obra (onde Mileto é um ponto de parada natural de Patmos para Éfeso), e que a narrativa é consistente com a proposta de Clemente, de um longo ministério de João na Ásia Menor após o exílio. Ele fornece evidências de que os Atos de João previam esse ministério como ocorrendo ao longo de décadas. Ele argumenta que João provavelmente visitou todas as sete igrejas do Apocalipse, a fim de, durante esse tempo, citar Tertuliano, o Passio Iohannis, de Ps.-Melito, e outras obras.

Trabalhos siríacos

   Furlong observa que o exílio neroniano é atestado nas versões siríacas do Apocalipse, que podem datar desde o século IV. Ele observa que isso também é atestado na obra siríaca intitulada História de João, que pode ter sido escrita já no século IV.

Ticônio de Cártago

Furlong observa que Ticônio identificou o sexto rei da visão de João como sendo Nero(de quem se diz “um existe” [Apocalipse 17:10]) .

Outros Escritos

   Furlong também discute os Atos de João de ProchorusAtos de João em Roma (um trabalho tardio que é confundido com os Atos de João descritos por Gentry, muito anteriores), Andreas de Cesaréia e Arethas de Cesaréia.

Outros argumentos

   Em outras seções desse trabalho, Furlong fornece evidências consideráveis ​​do início do martírio do Apóstolo João, que ele coloca em Jerusalém nos anos cinquenta, no final do reinado de Cláudio. Ele constrói isso a partir de fontes variadas, incluindo os Evangelhos de Mateus e Marcos, Papias, martirologias antigas, Heracleon, os Atos de André, Clemente de Alexandria, Hipólito de Roma, o Cânon Muratoriano, Orígenes, Crisóstomo, Cipriano, Aphrahat de Nínive, Gregório de Nissa, e o comentário latino incompleto sobre Mateus. No entanto, ele acredita que um João diferente, outro discípulo de Jesus, escreveu o Evangelho e o Apocalipse.

A Tradição Domiciânica

   Furlong argumenta que a colocação do exílio de João no final do reinado de Domiciano foi invenção de Eusébio, e ele mostra que sua razão para construir essa cronologia foi em parte influenciada por sua rejeição à canonicidade do Apocalipse. Furlong argumenta que Vitorino, que também colocou o exílio de João no reinado de Domiciano, o colocou mais cedo em seu reinado (por razões que ele explica) e que, portanto, ele não pode ser usado como um apoiador não qualificado da data tardia.


   Este artigo é um resumo do livro The Identity of John the Evangelist: Revision and Reinterpretation in Early Christian Sources [Identidade de João Evangelista: Revisão e reinterpretação de fontes cristãs primitivas] (Lanham: Lexington/Fortress Academic, 2020) por Dean Furlong. Para ter acesso a esse livro entre no site da Amazon, clicando aqui.

Fonte: https://www.preteristarchive.com/2020_furlong_patristic-evidence-for-the-early-date-of-revelation/

Acessa dia 29 de Fevereiro de 2020.


Source: http://revistacrista.org/Apocalipse_Evidencia_Patristica_para_a_data_inicial_do_apocalipse.html

Accessed May 17, 2020.

The latest English version can be found here: https://deanfurlong.wordpress.com/irenaeus-domitian-date-revelation/